Notícias

10 de outubro de 2019

Todo apoio ao levante popular dos trabalhadores no Equador




CSP-Conlutas e Sindsaúde RN apoiam e se solidarizam com a luta dos trabalhadores

O Equador é o mais novo país centro de mobilizações na América Latina. Desde 3 de outubro, a população tem tomado as ruas em protesto contra os preços de combustíveis, as altas taxas de desemprego, a miséria, as políticas entreguistas ao Fundo Monetário Internacional.

O movimento que iniciou com os protestos contrários ao pacote de medidas neoliberais do governo, desencadeou também paralisações nas principais cidades, bloqueios de estradas, greves no setor produtivo e nos meios de transporte.

O governo de Lenin Moreno e as forças policiais têm reprimido duramente as manifestações, mas a população não abandonou a luta e a mobilização se amplia – após a resposta violenta de Estado – em defesa das liberdades democráticas e pela liberdade das centenas de presos políticos.

Até a última segunda-feira (7), segundo informações de movimentos populares locais, 477 pessoas haviam sido presas e 3 foram mortas, além de vários feridos graves.

O processo no Equador traz com pano de fundo uma crise que acomete a todos os demais países no continente. A atual conjuntura política vivida pelos trabalhadores equatorianos se assemelha a outros países como Argentina, Chile, Peru e até mesmo o Brasil.

As medidas anunciadas pelo governo de Lenin Moreno favorecem os grandes empresários do comércio, “que receberão aproximadamente 350 milhões em isenção de impostos, enquanto os funcionários públicos terão redução de aproximadamente 320 milhões com o desconto de 1 dia de salário mensal e dos 15 dias de férias”, conforme destacamos em Moção de Apoio ao povo no Equador – confira o documento AQUI.

Ato de apoio – Na manhã dessa quarta-feira (9), a CSP-Conlutas realizou ato em frente ao consulado do Equador em São Paulo. A Central entregou moção de solidariedade e enviou mensagem em vídeo de apoio aos trabalhadores e lutadores, aos indígenas, camponeses, que se levantam contra o governo de Lenin Moreno e o FMI.

O povo não aceita a redução de salários dos funcionários públicos e a diminuição das férias. O povo está farto de se ajoelhar aos pés dos países imperialistas e dos grandes empresários.

A crise social e econômica dos trabalhadores e dos setores populares da sociedade equatoriana tem recebido resposta a altura, e nós da CSP-Conlutas nos colocamos ao lado deles, nessa mobilização fundamental para que a classe de todos os países se levante com igual força e determinação.

Nossa luta é internacional!

 

Autor: Comunicação Sindsaúde
Fonte: CSP-Conlutas

Boletim Eletrônico

  • Digite o código: 3188

  •