Notícias

12 de maro de 2019

Greve da Saúde: Ato no Giselda Trigueiro denuncia assédio de gestores




Servidores farão novo protesto nesta quarta-feira, 13, no Hospital João Machado

Os servidores estaduais da saúde que estão em greve desde o dia 5 de fevereiro, realizaram na manhã de hoje, (12), um ato em frente ao Hospital Giselda Trigueiro, referência no atendimento e tratamento de doenças infecto-contagiosas no Rio Grande do Norte. O local foi escolhido por ter sido alvo de várias denúncias, por parte dos servidores, alegando que alguns gestores da unidade estavam praticando assédio moral devido à greve, legítima, dos trabalhadores da saúde.

Para o enfermeiro Manoel Egídio, que também faz parte do Conselho Fiscal do Sindsaúde-RN, os servidores não podem se curvar ao assédio ” as diretorias dos hospitais agem de forma contrária à luta dos trabalhadores, e quem faz a greve são os trabalhadores! afirma Egídio. Além dos casos de assédio, o hospital também foi apontado pelas péssimas condições de trabalho.

A diretora do Sindsaúde-RN, Vanessa Cabral, é funcionária da unidade e relatou durante o ato, o cotidiano das pessoas que trabalham e recorrem ao atendimento no Giselda, “o pronto socorro não tem regulação, ao contrario do que dizem, as condições são precárias, as macas também ficam nos corredores, só não fica maca no corredor quando a governadora vem ser atendida aqui. A UTI está com dois leitos interditados porque não tem estrutura para receber pacientes, temos enfermarias que a urina dos banheiros de cima escorrem pelas paredes, falta segurança, não há controle de entrada e saída de ninguém”, relata Vanessa sobre a situação do hospital.

O ato também abordou os impactos dos atrasos salariais, que se estende desde o ano passado,. A servidora Nanaira Marques, trabalha no Hospital Santa Catarina, e relatou os problemas que vem enfrentando nos últimos meses por conta dos atrasos nas folhas. Ela disse que não lamenta a situação dos governantes, “não tenho pena de governadora, não tenho pena se o estado ta quebrado, minhas contas chegam todo fim de mês e ninguém tem pena! Se as pessoas estão morrendo não é de hoje, não é por causa desta greve”, afirma a servidora.

 

Na ocasião os servidores da saúde decidiram adiar o ato de amanhã, 13, que aconteceria na Governadoria, para um ato no Hospital João Machado, ás 9h da manhã.

 

Autor: Comunicação Sindsaúde

Boletim Eletrônico

  • Digite o código: 6612

  •