Notícias

18 de setembro de 2017

No Dia Nacional de Lutas, trabalhadores protestaram contra as reformas e a retirada de direitos




Em Natal, ato reuniu cerca de 400 pessoas e saiu em caminhada pela Av. Salgado Filho 

O dia 14 de setembro foi mais um dia de luta em todo o Brasil, contra as reformas e as retiradas de direitos. O dia fez parte da agenda de lutas do “Movimento Brasil Metalúrgico”, que chamou a data nacionalmente. Trabalhadores de outras categorias também aderiram ao Dia Nacional de Lutas, marcado por paralisações, assembleias e manifestações em todo o País.

Em Natal, os professores aderiram ao dia e realizaram um ato público pela manhã, no Gancho de Igapó. Na parte da tarde, ocorreu outro ato, dessa vez com diversas categorias, como os servidores da saúde, bancários, entre outro. O ato se concentrou em frente ao Midway, na Av. Salgado Filho por volta das 16h. Às 17h, o ato saiu em caminhada em direção à Fiern e retornou no sentido oposto da Av. Salgado Filho, finalizando em frente ao IFRN.

Na caminhada, o ato chegou a reunir cerca de 400 pessoas, que cantaram palavras de ordem, como: “Eu tô na rua, na resistência contra a reforma da previdência”.

O Dia nacional de Lutas aconteceu após quase dois meses da última greve geral. A reforma Trabalhista foi aprovada em julho e a da Previdência está prevista para entrar em votação em outubro. Para Manoel Egídio Jr., coordenador-geral do Sindsaúde-RN, as reformas do governo Temer serão barradas através das lutas e pra isso, as maiores centrais sindicais precisam  se mover e construir mais uma greve geral no País.

“A Central CSP-Conlutas na qual o Sindsaúde faz parte vem chamando a unidade da ação. Vamos sim trabalhar firmes, vamos construir as lutas, mas pra isso, as maiores centrais sindicais como a CUT, CTB, Força Sindical, entre outras, devem atender o chamado da CSP-Conlutas e chamar mais uma greve geral no País”, disse Manoel Egídio.

O coordenador-geral do Sindsaúde ainda declarou que os trabalhadores precisam ocupar as ruas e ocupar seu espaço. “Só os trabalhadores na rua, só a unidade na ação, só a luta é que vai fazer valer o que é nosso de direito. Derrubar esse governo corrupto, estabelecer um governo dos trabalhadores, aqueles que devem governar e que tem o direito de comandar esse país”, disse.

Confira as fotos:

 

Autor: Comunicação Sindsaúde

Boletim Eletrônico

  • Digite o código: 1651

  •